Está na hora de movimentar sua carreira? Veja algo que pode ajudar

Tenho acompanhado, tanto quanto sou capaz, dezenas de informações a respeito do futuro das pessoas, do trabalho, do lazer, da vida. Sou uma curiosa a respeito de tudo de maravilhoso – ou assustador – que o futuro nos reserva.

Foto Samuel Zeller

Sei, por exemplo, que lá por volta dos anos 30 (2030, bem entendido) nosso córtex poderá estar conectado à nuvem. Quero viver até lá, pois adoraria ter meus pensamentos gravados, meus sonhos loucos passíveis de serem contados e escritos, mesmo que apenas para mim mesma.

Já ouvi que robôs farão o trabalho dos humanos, com duas consequências possíveis: humanos descansado e curtindo ou humanos sem trabalho amargando uma super frustração. Na primeira hipótese, os robôs gerariam renda suficiente para garantir que todos os humanos recebessem uma renda básica que lhes permitisse viver sem preocupações com os gastos cotidianos. Na segunda, bem, nessa nem quero pensar.

Entretanto, enquanto milhares de estudiosos estão debruçados sobre as consequências do avanço da tecnologia no mercado de trabalho dos próximos 30 anos e no desaparecimento de inúmeros postos, eu e Roberta Holanda, – Consultora de Finanças, Empreendedora e Coach Financeira – reunimos informações fundamentais para abordar o mercado de trabalho num futuro mais próximo, ou seja, amanhã ou no mês que vem.

Foto Alex Knight

Claro que os empregos como são hoje já estão mudando, as características e qualificações exigidas daqui a 5 anos já serão um pouco diferentes. Sem dúvida, as necessidades das pessoas também estarão em movimento e os empreendimentos de hoje precisarão ir se adaptando. Entretanto, ainda temos algum tempo em que as coisas são mais ou menos estáveis.

Acreditamos que antes de chegarmos ao ponto de ver os robôs trabalhando e gerando renda, e antes de atingirmos a Renda Básica Universal, teremos que enfrentar, especialmente em países em desenvolvimento, anos de empregos ou iniciativas mais tradicionais para gerar nossa própria renda e com isso sustentar nossas famílias.

Vai daí que decidimos coletar e organizar uma série de informações pertinentes a movimentos de carreira num único lugar, o livro Carreiras e FuturoComo construir ou mudar sua trajetória de Carreira.

Esse livro foi concebido com o propósito de auxiliar pessoas em busca de alternativas para abordar movimentos profissionais e pessoais com segurança e objetividade. Reúne informações úteis para quem está iniciando ou mudando de carreira, com dicas de autoconhecimento, finanças, opções de carreiras e de mercado, no futuro que se inicia amanhã.

Publicamos a versão online na Amazon, http://amzn.to/2k8wo7G, onde pode ser adquirido facilmente. Teremos também uma versão mínima em papel, editada pela Reality Books, cujo lançamento para convidados será no início de 2020.

Riscos: fracassos ou sucessos

Captura de Tela 2019-07-31 às 11.33.10Acredito que é impossível atingir o sucesso sem correr certos riscos. Seja na vida pessoal, seja na vida profissional, em algum momento você vai ter que apostar suas fichas em uma ou outra opção e torcer para que ela seja a certa.

Não vou, claro, recomendar que você corra riscos apenas para mostrar que é corajoso. Isso é bobagem infantil. Corra riscos quando eles forem necessários, mas tomando o cuidado de avaliá-los o melhor que puder antes de tomar qualquer atitude.

Captura de Tela 2019-07-31 às 11.59.41Se for capaz de desenvolver a habilidade de olhar uma situação e julgar objetivamente se vale a pena correr riscos, você terá muito maiores chances de vencer do que de fracassar. Logicamente, para adquirir essa capacidade você terá que ter o maior conhecimento possível das questões envolvidas no problema. Sabendo mais, seus esforços serão menos arriscados.

Captura de Tela 2019-07-31 às 11.34.19Tem que enfrentar um novo desafio? Estude ao máximo antes de ir em frente. Busque informações, fale com quem já passou pela experiência, calcule os prós e contras, defina se é capaz de lidar com a situação se ela sair do controle.

De qualquer maneira, mesmo aqueles riscos que o levam ao fracasso podem aproximá-lo de seus objetivos. Claro que dá trabalho transformar falhas em aprendizado de valor e, mais ainda, originar um plano para atingir um resultado melhor numa próxima vez. Entretanto, isso não é apenas possível, mas pode ser significativo para deixá-lo mais forte e sábio.

Captura de Tela 2019-07-31 às 11.45.56Sabe o que é mais importante? É você ser capaz de sair de uma situação de risco e fracasso aprendendo com ela. Lembre-se que mesmo um fracasso é fruto de um movimento e ainda é melhor sair-se mal em uma situação do que ficar paralisado, sem fazer nada.

Importante também é não medir sua capacidade e suas habilidades por um ou outro momento em que tomou a decisão errada e falhou. Hoje você pode ter se saído mal, amanhã será outro dia e você poderá usar a má experiência como uma alavanca para ir mais alto do que esperava.

Captura de Tela 2019-07-31 às 11.35.55Lembre-se, por último, que outras pessoas poderão ter passado pela mesma situação e poderão compartilhar suas experiências com você. Outras serão capazes até de ajudá-lo, então não acredite que deve fazer tudo sozinho, busque ajuda sem medo. A vida fica mais fácil com compartilhamento de ideias e de capacitação ou mesmo de um simples apoio ou escuta ativa.

Quem sabe uma nova profissão?

Captura de Tela 2018-10-16 às 11.16.46.pngEm tempos de crise, alternativas de trabalho não tradicionais fazem muito sentido. Mesmo não sendo esse o caso, muitas pessoas, especialmente mulheres, infelizmente, passam por momentos nos quais uma carreira tradicional tem que ser interrompida, seja em função de filhos, ou de doenças na família ou mesmo de estar apenas desempregada. Vejam quantas pessoas estão trabalhando com Uber, por exemplo.
Tenho um contato no Facebook, Ricardo Cavallini que é, entre outras coisas, um pensador estratégico, conforme seu perfil no LinkedIn. Ele é um inovador, claro, e seu trabalho é pensar no futuro, e isso inclui pensar em alternativas de trabalho. Outro dia, ele fez um post muito rápido que chamou muito minha atenção. Bem, nesse post, ele citou uma alternativa de profissão para o futuro que faz todo o sentido para mim: personal seller.
Captura de Tela 2018-10-16 às 11.20.44.pngUm personal seller é “alguém que pega as coisas que estão encalhadas na sua casa e vende para você”. Você paga uma comissão sobre o resultado e livra-se daquilo que não tem mais utilidade na sua vida. Abre espaço para coisas novas, ganha uns trocados e todos ficam felizes!
Já pensou aquela roupa maravilhosa que não serve mais, mas você tem dó de jogar fora? Pode ser que alguém esteja precisando exatamente dela. Ou os sapatos que você comprou por impulso mas machucam seus pés? Ou, quem sabe, aquele aparelho de som antiguinho, mas bacana, um clássico? Ou você quer comprar um novo computador, mas o seu ainda está legal…
Claro que você pode fazer isso sozinho, anunciando, participando de grupos de desapego, mas dá um trabalho! Eu não tenho paciência, confesso. Para mim, um personal seller seria perfeito.
Captura de Tela 2018-10-16 às 11.22.36.pngUm levantamento do Sebrae realizado ano passado mostrou que o número de pequenos negócios – com faturamento anual de até R$ 3,6 milhões – no negócio de brechós cresceu 210% em cinco anos, passando de 3.691, em 2007, para 11.469, em 2012. Não sei os números atuais, mas considerando a crise pela qual o Brasil vem passando acredito que esses números permanecem ou até cresceram.
Por falar em Sebrae, eles colocam à disposição gratuitamente algumas cartilhas relativas às melhores práticas para ter sucesso com brechós que talvez sejam úteis para um futuro personal seller, pois devem trazer informações importantes sobre o funcionamento desse tipo de negócio. Entre no site e dê uma olhada, é bem interessante.
Captura de Tela 2018-10-16 às 11.36.30De qualquer maneira, imagino que, se você decidir ir atrás desse tipo de comércio, seria necessário primeiro uma ampla pesquisa sobre as lojas de usados da cidade e arredores. Descobri vários brechós no Facebook, o que seria um bom começo. Para São Paulo, por exemplo, seria interessante conhecer não apenas as da própria cidade, mas daquelas ao redor, da região metropolitana. Talvez até do interior.
Captura de Tela 2018-10-16 às 11.39.07Depois desse levantamento seria necessário estabelecer acordos de fornecimento com essas lojas. Obviamente teria ainda que fazer um estudo financeiro para saber as taxas que iria cobrar, talvez um pequeno plano de negócios. Você poderia agregar outros serviços como o de organização pessoal, da casa ou do escritório.
A partir dessa estrutura básica, você poderia lançar seu serviço, fazer divulgação, enfim, dar início ao seu negócio. Claro que estou apenas dando uma ideia, certamente será necessário muito trabalho para transformar esses comentários em um negócio rentável. Entretanto, considerando o número de pessoas que eu conheço que não sabem o que fazer com coisas que não querem mais, pode dar certo.
Captura de Tela 2018-10-16 às 11.50.00Até achei um dito personal seller no Facebook. O nome é Elefante Branco, e ele mostram sua Missão como “Acreditamos na economia colaborativa, em uma rede de consumo sustentável. Aquela sua roupa no fundo do armário pode ser exatamente o que alguém está procurando. Queremos ajudar quem quer praticar o desapego, circular energia e também, ganhar um dinheirinho.”
Que tal iniciar o seu? Se for experimentar, me avise, serei uma das primeiras clientes.

Feminismo no Brasil de hoje… ou como se destrói uma luta

Captura de Tela 2018-10-02 às 12.07.53.png

Estudantes de engenharia na década de 70; rapazes e moças lutando lado a lado por igualdade e respeito

Fui educada para fazer escolhas de qualquer natureza sem depender do meu gênero. Quando decidi estudar engenharia, ouvi alguns palpites sobre ser uma profissão “masculina”. Entrei na escola e encontrei outras bravas mulheres, inteligentes, engajadas, fortes, lindas, femininas, o que me trouxe mais certeza de que minha escolha não era errada. Fiz parte de uma turma de estudantes excepcional, onde rapazes e moças se respeitaram durante os cinco anos de curso e se respeitam até hoje, mais de 40 anos depois.

avatar morena com microfone

Muitos anos atrás

Trabalhei durante muitos anos, como engenheira e como executiva em grandes empresas. Fui comandada e comandei pessoas de todos os gêneros e diferentes crenças e valores. Enfrentei muitos obstáculos, preconceitos, atitudes abusivas, diferenças salariais gritantes, e até outras mulheres me discriminando descaradamente. Claro que encontrei também gente solidária, comprometida com justiça e igualdade, e isso foi fundamental para me dar a coragem de prosseguir sempre.

Sempre me coloquei a favor das mulheres, desde que elas mostrassem suas capacidades, não apenas por serem mulheres. Acredito firmemente em direitos iguais, meritocracia, colaboração e tenho convicção de que essa crença é que faz de mim uma Feminista, com F maiúsculo.

Captura de Tela 2018-10-02 às 12.16.06.png

Realidade do mundo corporativo

Não tenho a pretensão de querer afirmar que homens e mulheres sejam iguais física e psicologicamente mas, qualquer mulher que passou algum tempo na vida corporativa sabe que somos mais cobradas, menos remuneradas e menos respeitadas em inúmeras ocasiões.  E isso era ainda pior nos anos 70, quando iniciei minha carreira, como minhas colegas certamente irão concordar.

Lamentavelmente no Brasil, hoje, ser feminista se tornou uma maldição. Não em razão do comportamento das verdadeiras feministas, mas de um grupo de mulheres que, em nome de seus direitos, resolveram que a única maneira de lutar por eles é fazendo manifestações escandalosas, escatológicas, agressivas.

Captura de Tela 2018-10-02 às 11.41.26Mas feminismo não é isso! De acordo com a Wikipedia, Feminismo “é um conjunto de movimentos políticos, sociais, de ideologias e filosofias que têm como objetivo comum direitos equânimes (iguais) e uma vivência humana por meio do empoderamento feminino e da libertação de padrões patriarcais, baseados em normas de gênero.  Envolve diversos movimentos, teorias e filosofias que advogam pela igualdade entre homens e mulheres, além de promover os direitos das mulheres e seus interesses.”

Captura de Tela 2018-10-02 às 11.42.19Em nenhum lugar está escrito que feminismo é contra os homens ou os homossexuais, ou deve combater a estrutura familiar, ou outras bobagens da mesma procedência.

Estrutura familiar não é o mesmo que patriarcado. Patriarcado implica em um “pater” poder, um chefe que comanda todos. Família, por outro lado, é um grupo de pessoas com grau de parentesco ou não, que vivem juntos ou não, na mesma casa ou em casa diferentes, mas têm entre si laços de afetividade, memórias compartilhadas, e com direitos iguais.

Defender igualdade de direitos não é defecar publicamente na rua, nem tirar a roupa para mostrar quem é dono do seu corpo. Para isso não precisa expô-lo de forma agressiva, escatológica. Defender um ponto de vista político não exige que você mostre a intimidade de sua menstruação para todos.

Captura de Tela 2018-10-02 às 12.20.14Portanto, senhoras “feministas” de hoje, melhor seria se estivessem trabalhando e mostrando que são tão capazes quanto qualquer homem para produzir, criar, comandar e assumir seu lugar na sociedade e na história.

Eu sou feminista, vocês não são!

Quero afirmar meu feminismo aqui e onde puder, em apoio àquelas mulheres que lutam por igualdade e liberdade e àqueles homens que as apoiam.

Colapso Mental? Sobrecarga de Informações tem Solução!

Captura de Tela 2018-04-03 às 11.10.35Há um tempo atrás, encontrei um estudo muito interessante sobre as habilidades exigidas para navegar confortavelmente no futuro (2020 skills IFTF). Todas extremamente relevantes e já falei sobre algumas aqui. Uma delas, particularmente, me chamou a atenção: a necessidade de ser capaz de “selecionar” a busca de conhecimento de forma a não se perder na imensidão de informações a que a atualidade despeja sobre nossas cabeças a cada instante.

Captura de Tela 2018-04-03 às 15.08.43Provavelmente porque sou a rainha de “viajar” na busca, decidi ir atrás de mais. Foi quando cheguei ao conceito de “curadoria do conhecimento”. Descobri a forma de auxiliar a mim mesma e aos outros a evitar uma sobrecarga cognitiva que pode me levar a uma incapacidade de processar adequadamente as informações.

Curadoria

“Curadoria”, para quem não tem familiaridade com o termo, é o processo de encontrar, filtrar e compartilhar um conteúdo relevante e útil para o um público-alvo de sua escolha. Pode ser executada na arte, em conteúdo, tendências, moda, enfim. O compartilhamento pode ser feito de diversas maneiras, simplesmente via Internet ou redes sociais através links e conteúdo incorporado, ou de uma forma mais elaborada, acrescido de análises e comentários específicos.Captura de Tela 2018-04-03 às 11.11.58

Encontrei uma empresa brasileira trabalhando com o conceito, a Inesplorato, que ofereceu um curso, entre janeiro e março desse ano,  para disseminar sua metodologia de trabalho e lá fui eu estudar um pouco mais. Como meu tempo no Brasil era curto – nos últimos tempos vivo entre São Paulo e Roma -, possivelmente não consegui chegar ao melhor resultado. Não sou ainda realmente um curador de conhecimento como aqueles da Inesplorato mas, mesmo assim, tive um grande aprendizado, que vai me permitir evoluir e compartilhar as habilidades inerentes à especialidade.

Curadoria de Conhecimento

Captura de Tela 2018-04-03 às 15.13.34

 

Curadoria de conhecimento aparentemente é um conceito fácil de entender, mas vocês não imaginam a complexidade envolvida na execução, quando se decide fazer isso para outra pessoa ou alguma empresa.

Para começar, requer ética, comprometimento, pensamento estratégico, um esforço enorme e o mais precioso dos recursos, o tempo. Você precisa estar aberto a pensar fora da caixa, sair de sua zona de conforto e não ter medo de desagradar a pessoa que lhe solicitou o trabalho. Além disso, você deve ser capaz de organizar as informações de forma atraente, que desperte a curiosidade e a vontade do outro ir cada vez mais fundo. E, não se faz um bom trabalho sozinho, precisa ter parceiros que movam você em diversas direções e o ajudem a ser mais e mais interessante e instigante.

Captura de Tela 2018-04-03 às 15.15.30O objetivo principal da curadoria é reduzir o tempo e a distância entre as pessoas e aquele conteúdo realmente relevante, que pode trazer transformação. E aí está a maior complexidade da questão: o que é transformador? Você não está ali para agradar, para concordar com aquilo que mantém a pessoa confortável. Você está ali para ajudá-la a abrir-se para novos pensamentos, ideias e realidades que a ajudarão a ir em frente, crescer, ser melhor.

E então?

Captura de Tela 2018-04-03 às 15.20.51

 

Mesmo quando seu “cliente” é você mesmo, todas as demandas do trabalho são exigidas. A “autocuradoria”, se é que existe, para mim é o começo de tudo. Estou testando esse conceito, usando metodologias aprendidas no curso, adaptando-as à minha ação solitária. Pelo menos, já descobri que posso ser um pouco mais organizada nas minhas buscas. Vai ser transformador? Não sei. Quando souber, conto para vocês.