Dizendo Não

Na semana passada, andei conversando com um head hunter que recruta jovens para o mercado de trabalho e ouvi uma coisa que nunca havia imaginado. Ele me disse que nem chamava profissionais oriundos de algumas faculdades não porque a formação técnica fosse ruim, mas porque eles não têm nenhum preparo na área de comportamento. Algumas das coisas de que ele se queixou foram a falta de resposta ao final do processo e a ausência em entrevistas marcadas quando os candidatos não aparecem nem avisam que vão faltar, enfim, a uma série de pequenas indelicadezas que mostram pouca elegância e educação.

Não sei se esse fenômeno tem a ver apenas com os jovens em início de carreira, mas acho interessante falar para todo mundo porque um descuido pode fazer você se comportar dessa maneira e fazer perder muitos precisos pontos conquistados com muito trabalho e esforço.

Então, se você participou de um processo de seleção e, ao final, descobriu que a posição não será boa para você, não tenha receio de dizer não. Se descobriu no meio do processo, não deixe para comunicar somente no final. Não perca o seu tempo nem o do recrutador. Não pense em sumir, não atender ao telefone ou dar desculpas para não falar com a pessoa com quem você interagiu no processo. Você tem todo o direito de não querer o trabalho, mesmo que tenha se interessado num primeiro momento.

Seja delicado, diga que concluiu durante o processo que a vaga não é exatamente compatível com suas atuais expectativas, mas seja firme. Comunique sua decisão pessoalmente se for possível, mas por telefone não fica ruim. Até um email poderá resolver a questão mas não é tão efetivo ou gentil quanto um telefonema ou uma visita. Agradeça a oportunidade e diga o quanto se sentiu lisonjeado por ter sido lembrado para a vaga. Se tiver interesse na proposta para o futuro, proponha retomar o contato dentro de alguns meses. Se não tiver, lembre-se que você poderá precisar de outra posição oferecida pelo mesmo recrutador em outro momento, fique com o contato e deixe uma boa impressão.

Se conhecer uma pessoa mais adequada para o cargo pergunte se pode indicar o nome de alguém de suas relações para o emprego. Isso poderá ser simpático para a empresa e você poderá ajudar um amigo que esteja atrás de oportunidades. Não indique para o cargo alguém mal qualificado. Mesmo que você tenha descoberto que a vaga não lhe serve no momento, indicar alguém fraco vai dar a impressão de desprezo pelo processo de recrutamento do qual você participou. Isso desvaloriza automaticamente seu próprio passe.

Viu como é fácil? Pequenos gestos gentis deixam portas abertas e possibilidades de oportunidades em outras ocasiões. Tenha certeza de que, se você precisar, isso fará uma grande diferença. Se não precisar… Bem, no mínimo você garantiu simpatia e boa vontade.

3 Comments

  1. Alguns cuidados, atenção e educação são muito importantes…….. sempre! Parabéns pelo artigo!!!!!!!!

    Responder

Deixe uma resposta para Maria do Carmo Marini Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s