The Lobster, ou a incapacidade de ser único

Outro dia, assisti ao filme The Lobster, dirigido por Yorgos Lanthimos, jovem cineasta grego com alguns importantes prêmios no currículo. É estrelado por Collin Farrel, Rachel Weisz e Lea Seydoux e mais alguns bons atores.
Captura de Tela 2015-11-17 às 08.57.38A história acontece num futuro imaginário e distópico, numa sociedade totalitária e opressiva. As pessoas que não concordam com as rígidas regras impostas pelos dirigentes – que não são mostrados – sofrem como consequência a perda da própria humanidade.
Captura de Tela 2015-11-17 às 08.56.21.pngClaro que existem rebeldes. Esses rebeldes buscam exatamente o contrário, mas o fazem repetindo o totalitarismo e autoritarismo, com regras tão rígidas como as da sociedade dita “normal”. Não existe uma busca de liberdade, apenas um avesso imposto com regras igualmente autoritárias.
Captura de Tela 2015-11-17 às 08.56.54Tempo opressivo, sem alternativa, onde todos devem seguir aquilo que alguns definiram como o melhor – assimilado no inconsciente coletivo. Tempo em que a vontade individual não existe. Em nenhum momento o ilme mostra quem dita as regras e isso é muito interessante, as pessoas apenas seguem-nas naturalmente.
Captura de Tela 2015-11-17 às 09.34.41.png

De uma certa maneira, obviamente muito exacerbada, esse filme é uma metáfora para a nossa forma de agir dentro dos grupos sociais dos quais participamos. É difícil reagir contra regras, mesmo que elas sejam absurdas, é mais difícil ainda ser único, flexível, criativo. Quem viu o Facebook, após os ataques na França e a tragédia de Minas Gerais, percebeu claramente como as cobranças são feitas de todos os lados

O filme é muito bom. O final traz a dúvida: conseguirá o mocinho romper com as regras, começar uma real revolução, quebrar paradigmas? Conseguirá libertar-se dessa necessidade de fazer parte de um rebanho? Eu, uma otimista eterna, acredito que sim.

Esse post foi publicado em Confetes e News e marcado , , , , , por Maria do Carmo Marini. Guardar link permanente.

Sobre Maria do Carmo Marini

Sou engenheira elétrica, vivendo experiências profissionais mais lúdicas e generosas. Há dez anos, trabalho com Consultoria de Carreira e Desenvolvimento de Pessoas e, nos últimos 2 anos tenho desenvolvido conteúdo para sites e revistas. Faço parte de um segmento otimista e alegre e acredito que o mundo tem potenciais inexplorados e fascinantes a serem descobertos. Considero a família – marido, filhos, netos, irmãs e irmãos – meu porto seguro. Curiosidade e paixão pela vida me fazem aprender sempre e buscar coisas novas sempre. Adoro gente inteligente e elegante. Viagens, cinema e livros me encantam, bem como encontrar os amigos para compartilhar boa comida e boa bebida. Estou sempre disposta a compartilhar experiências, conhecimentos e estórias. Minha formação viaja de Engenheira Elétrica, passa por Consultora de Carreira e Desenvolvimento de Pessoas, me levando a escrever e produzir conteúdo. nos últimos 10 anos. Tenho especialização em Comunicação Corporativa pela FGV, Curadoria do Conhecimento pela Inesplorato e pós-graduação em Consultoria de Carreira pela FIA-USP. Sou parceira estratégica do Escritório de Carreiras da USP.

Uma resposta em “The Lobster, ou a incapacidade de ser único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s