Feminismo no Brasil de hoje… ou como se destrói uma luta

Captura de Tela 2018-10-02 às 12.07.53.png

Estudantes de engenharia na década de 70; rapazes e moças lutando lado a lado por igualdade e respeito

Fui educada para fazer escolhas de qualquer natureza sem depender do meu gênero. Quando decidi estudar engenharia, ouvi alguns palpites sobre ser uma profissão “masculina”. Entrei na escola e encontrei outras bravas mulheres, inteligentes, engajadas, fortes, lindas, femininas, o que me trouxe mais certeza de que minha escolha não era errada. Fiz parte de uma turma de estudantes excepcional, onde rapazes e moças se respeitaram durante os cinco anos de curso e se respeitam até hoje, mais de 40 anos depois.

avatar morena com microfone

Muitos anos atrás

Trabalhei durante muitos anos, como engenheira e como executiva em grandes empresas. Fui comandada e comandei pessoas de todos os gêneros e diferentes crenças e valores. Enfrentei muitos obstáculos, preconceitos, atitudes abusivas, diferenças salariais gritantes, e até outras mulheres me discriminando descaradamente. Claro que encontrei também gente solidária, comprometida com justiça e igualdade, e isso foi fundamental para me dar a coragem de prosseguir sempre.

Sempre me coloquei a favor das mulheres, desde que elas mostrassem suas capacidades, não apenas por serem mulheres. Acredito firmemente em direitos iguais, meritocracia, colaboração e tenho convicção de que essa crença é que faz de mim uma Feminista, com F maiúsculo.

Captura de Tela 2018-10-02 às 12.16.06.png

Realidade do mundo corporativo

Não tenho a pretensão de querer afirmar que homens e mulheres sejam iguais física e psicologicamente mas, qualquer mulher que passou algum tempo na vida corporativa sabe que somos mais cobradas, menos remuneradas e menos respeitadas em inúmeras ocasiões.  E isso era ainda pior nos anos 70, quando iniciei minha carreira, como minhas colegas certamente irão concordar.

Lamentavelmente no Brasil, hoje, ser feminista se tornou uma maldição. Não em razão do comportamento das verdadeiras feministas, mas de um grupo de mulheres que, em nome de seus direitos, resolveram que a única maneira de lutar por eles é fazendo manifestações escandalosas, escatológicas, agressivas.

Captura de Tela 2018-10-02 às 11.41.26Mas feminismo não é isso! De acordo com a Wikipedia, Feminismo “é um conjunto de movimentos políticos, sociais, de ideologias e filosofias que têm como objetivo comum direitos equânimes (iguais) e uma vivência humana por meio do empoderamento feminino e da libertação de padrões patriarcais, baseados em normas de gênero.  Envolve diversos movimentos, teorias e filosofias que advogam pela igualdade entre homens e mulheres, além de promover os direitos das mulheres e seus interesses.”

Captura de Tela 2018-10-02 às 11.42.19Em nenhum lugar está escrito que feminismo é contra os homens ou os homossexuais, ou deve combater a estrutura familiar, ou outras bobagens da mesma procedência.

Estrutura familiar não é o mesmo que patriarcado. Patriarcado implica em um “pater” poder, um chefe que comanda todos. Família, por outro lado, é um grupo de pessoas com grau de parentesco ou não, que vivem juntos ou não, na mesma casa ou em casa diferentes, mas têm entre si laços de afetividade, memórias compartilhadas, e com direitos iguais.

Defender igualdade de direitos não é defecar publicamente na rua, nem tirar a roupa para mostrar quem é dono do seu corpo. Para isso não precisa expô-lo de forma agressiva, escatológica. Defender um ponto de vista político não exige que você mostre a intimidade de sua menstruação para todos.

Captura de Tela 2018-10-02 às 12.20.14Portanto, senhoras “feministas” de hoje, melhor seria se estivessem trabalhando e mostrando que são tão capazes quanto qualquer homem para produzir, criar, comandar e assumir seu lugar na sociedade e na história.

Eu sou feminista, vocês não são!

Quero afirmar meu feminismo aqui e onde puder, em apoio àquelas mulheres que lutam por igualdade e liberdade e àqueles homens que as apoiam.

Anúncios

E agora nós, mulheres, somos todas “meninas”…

Captura de Tela 2017-12-11 às 12.22.08Não sei se sou a única pessoa que está cada dia mais criando uma animosidade figadal ao termo “menina” quando usado para saudar todas as mulheres, independente da sua posição, idade ou da intimidade existente.

Então, as jornalistas que apresentam o jornal da Globo News (trintonas, pelo menos) são saudadas pelos seus colegas homens com um “Bom dia, meninas”. Da mesma forma, jornalistas mais velhas também recebem o mesmo tipo de cumprimento. Num grupo de avós, elas se chamam “meninas”, da mesma forma que em reuniões de todas as naturezas, com mulheres menos jovens, super qualificadas, intelectualmente brilhantes. E por aí vai.Captura de Tela 2017-12-11 às 12.38.58

Apesar de minha implicância, eu mesmo me peguei usando o termo algumas vezes sem pensar. Daí, comecei a me perguntar o porquê. Quem sabe eu poderia – e todos poderiam, claro – dizer o nome da pessoa ou usar “senhora”, “colega”, etc.

Cheguei à triste conclusão de que é uma forma elegante e pretensamente carinhosa de qualificar as mulheres abaixo de sua capacidade, uma maneira de inconscientemente fragilizá-las, um instrumento do machismo que está entranhado na maioria dos homens e muitas vezes até nas próprias mulheres. Ninguém parece se dar conta da carga de preconceito, da vontade de diminuir as mulheres, todos acham que é “bonitinho”, “fazem a gente se sentir mais jovem”, “bondoso”.

Captura de Tela 2017-12-11 às 12.40.58Só para esclarecer, uma menina não tem maturidade, não tem flexibilidade para reagir adequadamente às complexidades e dificuldades da vida. Meninas ainda não são capazes de se autoconhecer, de reconhecer suas qualidades e seus pontos frágeis, de assumir seu poder feminino. Meninas não têm ainda as cicatrizes que a vida proporciona, não sabem das dores que a maturidade traz e, principalmente, meninas dependem de alguém que as cuide, o que faz todo o machista sentir-se poderoso.

Caramba, será que eu sou muito chata? Vocês não conseguem enxergar o mesmo que eu? Veja bem, ser jovem eternamente é uma coisa bem diferente de ser menina até os 100 anos. Anos de estudo, experiência, vivência, autoridade são desprezados nesse termo “menina”. Mulheres e meninas são duas versões de um mesmo indivíduo, claro, mas uma mulher acrescentou milhares de outras competências, habilidades, práticas, talentos à menina que foi um dia.

Captura de Tela 2017-12-11 às 12.36.55Você pode ser menina em alguns momentos de suas relações de amor e afeto, claro, mas se for uma mulher, assuma seu papel e seu poder, especialmente em sua vida profissional.

Quem quer ser menina sempre e para sempre? Não se permita ser deixada para trás por uma fila de homens menos competentes só porque é uma mulher.

Procrastinar, palavra difícil de usar, ação comum no dia-a-dia

Procrastinar é quase um palavrão, não acha? Chega a assustar. No entanto, é uma ação tão comum no nosso dia-a-dia que, sem que nos demos conta, estamos conjugando o verbo a todo instante. Deixar para outro dia um ato ou decisão necessário para o seu sucesso sem um bom motivo é mais fácil do que parece. Acontece especialmente quando não estamos seguros sobre o que fazer, temos receio de tomar uma atitude efetiva ou, o que é pior, estamos inconscientemente boicotando nosso próprio crescimento e futuro.

Tenho conversado com várias pessoas que se queixam de não ter tempo ou condição para fazer uma coisa ou outra ou para tomar uma decisão que possa mudar uma condição complicada da vida. Eu também me vejo nessa algumas vezes, me envolvendo em tarefas que podem ser perfeitamente executadas por outras pessoas e deixando de lado aquilo que é essencial para que os projetos andem na direção correta.

Por que será? É preciso parar para pensar naquelas pequenas desculpas que arranjamos para a não-ação e tentar eliminá-las rapidamente sob o risco de perder um tempo precioso e construtivo.

Penso que podemos começar pensando se realmente sabemos o que estamos buscando. Muitas vezes nosso empenho fica comprometido porque não sabemos exatamente o que queremos. Sem isso, qualquer rumo que você decida tomar pode levar a lugar nenhum. Claro que é difícil admitir que você não sabe o que quer. Esse sentimento pode estar enterrado no seu pensamento sem que você realmente o perceba. Você decidiu que vai trocar de emprego, diz para seus amigos que vai fazer isso e no entanto não preparou nem seu currículo? Será que você realmente quer mudar? Será que a perspectiva de enfrentar um novo começo não está deixando você inseguro? Ou, quem sabe, ao conversar com seu travesseiro à noite você não diz para si mesmo que é melhor ficar onde está porque aí você sabe o que esperar, mesmo que seja ruim?

Entretanto, algumas vezes você não tem escolha. Por exemplo, não fez o movimento de mudar de emprego e foi demitido. Claro que tem que buscar outro, você não pode ficar sem trabalhar e ganhar seu dinheiro. Faz uma ou outra tentativa fraca e quando as primeiras fracassam, você começa a desconfiar que não é capacitado, que não vai arranjar nada de bom, que o mercado não quer mais saber de você. Aí, entra numa espiral autodepreciativa que só leva para o fundo do poço. Você sabe que para começar, tem que atualizar seu currículo, mas não dá nem uma lida no texto, não faz uma reflexão sobre seus conhecimentos e experiências não registrados nele. Sabe que a busca de um novo emprego exige planejamento e disciplina, sabe também que precisa fazer contatos. Entretanto, se envolve na reforma da casa, no conserto do carro, fica doente, entra na briga do condomínio, qualquer coisa que o deixe muito ocupado para dizer para você mesmo que não teve tempo de fazer uma ou outra coisa.

Captura de Tela 2014-09-03 às 12.45.48Está se identificando? Pois saiba que está procrastinando. Então saia dessa rapidamente. Vá tomar as rédeas da sua vida outra vez. Faça uma lista de tarefas, determine uma hora para cuidar de cada assunto, esqueça aqueles trabalhos que não precisam da sua presença. Marque encontros com pessoas que possam lhe trazer benefícios nesse momento, envie emails para outros, estude as possibilidades de trabalho em empresas fora da sua área de conforto, faça um curso que realmente possa suprir uma falha do seu currículo.

Veja, esse raciocínio vale não apenas para seu trabalho, serve para adiar o fim de relacionamentos destrutivos, serve para mudar de casa ou de cidade, enfim, serve para qualquer situação que envolva mudanças importantes na sua vida. Você adia a decisão por não ter certeza de que quer realmente mudar. Você pode usá-lo para enfrentar tarefas aborrecidas, mas necessárias, aquelas que um subordinado que não faz mais parte da sua realidade fazia para você.

Decida fazer o que tem que ser feito! Se estiver muito preguiçoso – esse é um efeito colateral da procrastinação -, comece um programa de ginástica ou caminhadas para produzir endorfinas que lhe darão energia e diminuirão o stress. Faça exercícios também para baixar a tensão, se estiver muito agitado. Mantenha sua mente num estado positivo, não pense em fracasso, pense em vitórias e convença você mesmo que procrastinar é apenas um palavrão que nada tem a ver com você.


Quando a imagem pessoal se mistura à profissional

Ninguém tem nada a ver com sua vida pessoal, portanto você pode se comportar de qualquer jeito em qualquer ambiente, certo? Lamento, mas está errado. Existem alguns lugares e momentos que sua vida pessoal esbarra na sua vida profissional e, se você não quiser passar a imagem errada para as pessoas com que trabalha, vai ter que tomar cuidado.

Sua vida pessoal pode esbarrar em sua vida profissional em eventos sociais, por exemplo. No clube, na festa de aniversário ou de casamento, no restaurante da moda, na balada. Você pode estar decidido a encher a cara para se consolar do fora da namorada, mas fazer isso num lugar onde você não sabe quem está assitindo é um risco. Você pode ter decidido que não vai voltar para casa sozinha hoje, mas ficar azarando todos os caras da festa pode fazer você dar de cara com seu chefe ou outro importante personagem do seu trabalho. A confusão está feita, sua imagem vai ficar meio comprometida por uma bobagem.

Outras ocasiões em que sua vida pessoal pode misturar com a profissional é durante suas férias. Claro que férias é momento de andar descontraído, à vontade. Ser mais formal é coisa de trabalho, você nem quer pensar em usar sapato e meia quando está de férias. Bem, então não marque um almoço com um colega que está trabalhando naquele restaurante que você sabe que seu chefe frequenta, vá desfilar seu chinelo e sua bermuda em um lugar fora do seu circuito de trabalho.

Nas mídias sociais, então nem se fala. Claro que você quer que suas amigas vejam o gato que esteve com você no maior amasso, mas envie as fotos por email, não precisa postar no Facebook. Você pensa que recrutadores para emprego não dão uma olhada nos seus dados? Depois do Google, é muito difícil ser totalmente desconhecido. Eles vão buscar seu nome no Linkedin, mas certamente também vão dar uma olhada no Facebook onde você postou uma foto com um copo na mão e cara de quem levou uma trombada. Se o emprego é numa empresa mais conservadora, já era, você nem vai ser chamado.

Enfim, não quero dizer que você nunca mais vai descontrair com medo de perder o emprego, é claro. Só quero alertar para o fato de que você pode fazer tudo isso sem dar publicidade. Beba entre amigos e família, envei fotos mais comprometedoras para pessoas escolhidas e de confiança, paquere sem medo mas não faça propaganda de promiscuidade, vista-se como se sentir melhor, mas faça isso fora de deu circuito de trabalho. E seja feliz, é claro!

Alguns pecados mortais dos homens

Homens podem ser grandes pecadores quando se trata de estilo. A menos que eles sejam metrossexuais, sempre escapa um ou outro fora, alguns pequenos, outros maiores. Entretanto, tem aqueles que cometem pecados mortais com total conforto e é sobre isso que vou falar aqui, os erros imperdoáveis, aqueles que derrubam qualquer bacana em busca de sucesso.

Para começar, botão da camisa aberto na barriga é horrível, especialmente se a barriga está meio saindo para fora. Mesmo aquele botãozinho perto do cinto que só fica repuxado, mas parece que vai estourar a qualquer instante, é muito ruim. Eu sei que você tem certeza de que vai emagrecer uns dois quilos na próxima semana, mas recomendo que enquanto isso não acontece, compre uma camisa um número maior.

Blazer marinho com brazões ou botões dourados só se você for almirante ou técnico de futebol. Nem o Luxemburgo usa, nem mesmo o Dunga. Seu paletó azul marinho, que é um curinga importante em qualquer armário de roupas, tem que ter botões da mesma cor e não precisa de enfeites.

Gravata presa na calça é muito deselegante, mas pior é gravata empinada sobre sua barriga. Se a dita cuja, a barriga, estiver muito grande, a gravata no lugar certo vai ficar melhor de qualquer maneira. Ela tem que cobrir a fivela do cinto e pronto. Se ficar muito curta vai mostrar ainda mais que você está fora de forma.

Outra difícil de tolerar é uma gravata com desenhos berrantes. Isso só funciona se você for diretor de cinema pornô. E, ah, coisa que nunca deixa de se ver é o cara usando uma gravata com o nó meio desamarrado para fazer gênero diretor de cinema atormentado ou uma versão pós moderna do James Dean. Lamento informar, mas esse modelito saiu de moda há muito tempo e só lhe dá a aparência de falido.

Jeans com friso marcado não combina, pois jeans é uma calça informal. Parece coisa de velho que nunca usou um jeans porque quando era jovem jeans era coisa de maloqueiro. Cheira a naftalina, você não acha?

Sapato social combinando com a cor do terno (a menos que seja preto) não dá. Imagina se seu terno é cinza claro… Da mesma maneira, meias brancas com o terno não são permitidas nem mesmo para fazer gênero artista de cinema. Deixe para eles. Falando em meias, com sandálias elas só funcionam com missionário americano na África. Nem pense em usar. Se está com frio no pé, use meias com sapatos ou tênis.

Bem, um fora hoje, outro na semana que vem são perfeitamente toleráveis, você não vai ter sua imagem arranhada definitivamente. Entretanto, cuidados simples podem colocar você na lista dos elegantes do escritório. Para completar, ande cheiroso e pronto, vá fazer sucesso por aí.

Eventos especiais: Velórios

Minha amiga Béia Carvalho, inconformada com as atitudes inadequadas que constatou em velórios que teve que ir, me pediu que escrevesse a respeito. Confesso que precisei parar para pensar em como muitas vezes não nos damos conta de que alguns ambientes exijem um respeito e uma formalidade extras. Incluo nisso os velórios, mas também eventos religiosos de qualquer natureza, eventos solenes e assim por diante.

Ficando nos velórios, esse é um momento realmente delicado. Momento de sofrimento das pessoas próximas, momento de reflexão para quem está bem de saúde, momento de solidariedade com quem perdeu alguém importante. Não é possível ser insensível a ponto de não perceber que um comportamento mais contrito é necessário e que boas maneiras são exigidas na ocasião.

Portanto, se você é mulher, esqueça definitivamente de produzir-se para ser a mais sexy da parada. Deixe para a balada, as compras, o cruzeiro, o restaurante. Nada de saltos gigantescos, decotes profundos, maquiagem pesada. Nem pense em adotar a linha contrária, ou seja, shorts, camiseta e havaianas. Havaianas são ótimas, até para a balada e você pode trocar de namorado se ele não quiser sair com você de havaianas, mas no caso de um velório, ele tem razão. Tênis também não funcionam, aliás tênis, a menos dos de passeio que você pode usar nas compras, é para a aula de ginástica ou a caminhada no parque.

Se você é homem, esqueça a bermuda, a camiseta regata, os chinelos e os tênis, a menos que eles sejam de passeio. Calça e camiseta ficam bem, desde que a camiseta seja mais alinhada, tipo polo e não tenha nenhum manifesto de banda de rock ou daqueles tipo “vagabundo na Bahia” ou “conservado em tequila”.

Entretanto, mais importante do que tudo é o comportamento. Se você for ao velório apenas para cumprir com uma obrigacão social, mesmo assim, tem que respeitar a dor das outras pessoas. Se encontrar um velho amigo, nada de manifestações grandiosas, saudações escandalosas. Seja mais comedido, fale baixo e, se realmente ficar muito feliz em encontrar aquele velho amigo da escola, saia de lado, vá para um canto longe para curtir sua felicidade sem jogá-la na cara dos que estão infelizes.

Não fique contando em voz alta para suas amigas a “loucura” que foi a balada da noite anterior nem fique rindo de situações que aconteceram em outro ambiente. Você não precisa ficar muito tempo no velório, cumprimente a todos os que devem ser cumprimentados (no geral a família, mais especialmente aqueles que você conhece), disfarce e convide suas amigas ou amigos para tomar um café na padaria da esquina.

Tenho certeza de que, apesar de as pessoas ficarem meio transtornadas num momento de dor, alguém vai notar se seu comportamento for inadequado e sua imagem vai sofrer um arranhão significativo. Você é melhor que isso, não é?