Quer reciclar? A FIA pode ajudar

Como forma de reciclar o conhecimento de executivos que estão tentando se reinserir no mercado, a FIA (Fundação Instituto de Administração) abre inscrições até 31 de janeiro para o curso gratuito de Aperfeiçoamento Profissional, destinado a profissionais com graduação e que estão há quatro meses ou mais sem trabalho.
A primeira etapa do processo seletivo acontecerá no dia 4 de fevereiro, com uma prova de Conhecimentos Gerais, Raciocínio Lógico e Quantitativo, e uma redação. A partir de 18 de fevereiro, terá início a segunda fase, composta por entrevistas com os candidatos. Com duração de 10 meses, as aulas irão abordar temas como Matemática como Instrumento Gerencial, Tecnologia da Informação, Administração Financeira, Mercado de Capitais, Marketing de Relacionamento, Orientação de Carreiras, Empreendedorismo (Negociação e Criação de Empresas), entre outros. Inscrições e informações: (11) 3732-3506 ou pelo site www.fia.com.br.

Festas de fim de ano, atenção para não descuidar de seu trabalho

O ano está chegando ao fim. Temos primeiro o Natal que é tempo de agradecer, de receber amigos e família, de comemorar com os colegas de trabalho. Natal é festa de dar e receber presentes, é hora de fazer uma retrospectiva e avaliar o ano que passou.

Em seguida, temos também o Ano Novo que, embora não faça diferença objetiva, é simbólico, dá entrada à mudança, a novas esperanças, desafios diferentes, decisões fortes. Mesmo que o dia 1˚ de Janeiro seja exatamente igual a todos os dias do mês de dezembro ou de novembro, ele parecerá diferente, com cara de início. Para muitas pessoas é um alívio, porque o ano foi ruim, frustrante. Para outras é a possibilidade de continuar a ter o que foi bom e acrescentar outras alegrias. De qualquer forma, é um tempo de muitas festas, dezenas de encontros entre amigos, muitas happy hours, jantares, almoços.

A tendência, tanto de quem quer se livrar rapidamente do ano que finda como de quem quer se despedir dele com carinho, é comparecer  a todos os eventos possíveis, divertir-se, curtir. É aí que podemos dar uma ou outra escorregada. Então, mais do que nos tempos normais, preste bastante atenção à qualidade do tempo que você está dedicando ao seu trabalho. São poucas as profissões que têm menos trabalho nessa época do ano. No geral, a maioria tem mais porque precisa encerrar o ano em várias versões.

Claro que você é animado e só por essa razão foi escolhido para fazer parte da comissão organizadora da festa de fim de ano dos seu departamento. Também sei que você é popular, portanto recebeu dezenas de convites para comemorações diversas. Cuidado, apesar de seu chefe dar a impressão de que está tão envolvido no espírito natalino quanto você, ele pode muito bem estar de olho nas tarefas que você não desempenhou direito. Ou, quem sabe, aquele colega invejoso aproveita a oporunidade para chamar a atenção dos outros para sua “falta de comprometimento com as metas da área”.

Dedique-se a organizar a festa, se você foi indicado para fazer isso, mas trabalhe horas a mais, dando conta de suas tarefas antes de cuidar do assunto. Se você não é organizadora, mas apenas convidada de uma ou mais festas, ainda assim tome cuidado para não chegar atrasada no dia seguinte ou mesmo com a cara de quem foi atropelada por um ônibus, depois de beber demais e dormir de menos. Melhore a maquiagem, tome alguma coisa que lhe dê energia e apareça animada e feliz com suas tarefas.

Se o evento for um almoço, não fique além da hora que deve estar de volta ao escritório. Sinto muito que você tenha que perder algumas fofocas ou a sobremesa, mas seu emprego é mais importante.  Tomando esse pequenos cuidados, você está pronto para divertir-se muito, ter momentos felizes e começar um novo ano cheio de energia e entusiasmo.

Emprego para protegido do chefe, pode?

Em tempos nos quais diretores de empresas estatais grandes e importantes estão sendo escolhidos por suas afinidades políticas e não por sua capacidade técnica, uma recomendação para emprego vinda de um alto executivo da sua empresa pode lhe parecer um mico sem tamanho. Eu sei que é difícil pensar que você pode dar um emprego para um idiota completo só porque ele tem um QI – Quem Indica – alto, enquanto dezenas de outras pessoas merecedoras e com possibilidade de serem mais úteis andam em busca de uma oportunidade.

Sua vontade é dizer não e enfrentar as consequências de ter a antipatia do poderoso que fez a indicação? Antes de mais nada, respire fundo e pense melhor. Quem sabe esse importante executivo da sua empresa está indicando sua área para acolher seu protegido porque tem boas referências suas e da sua equipe? Pense bem para saber se não está com medo que a pessoa leve referências ruins a seu respeito para o indicador.  Isso você resolve fazendo um bom trabalho e  garantindo reconhecimento de muitas pessoas dentro da empresa. Além disso, pode acontecer o contrário, o novo funcionário levar boas referências suas ao seu protetor.

Se não houver nada que aponte para um problema imediato, seja flexível. No geral, nossa tendência é achar que o fato de alguém ser indicado é prova de que a pessoa é incompetente, inoperante, ou não quer trabalhar. Mas, pense bem, e se isso não for verdade? Você nunca esteve sem emprego e quis ter alguém  que o indicasse? Talvez um tio, um amigo da família, até um político. Tudo o que você queria, muito provavelmente, era uma oportunidade de mostrar sua capacidade de trabalho. Tem momentos que o mercado não está aberto a conhecer melhor as pessoas, quer alguém pronto e conhecido.

Veja, é uma questão de abrir sua mente e examinar o pretendente sem preconceito. Chame para uma entrevista, examine o currículo, busque referências de outros empregos se a pessoa tiver, veja se as notas na escola foram boas se for um primeiro emprego. Você pode ser surpreendido por um excelente profissional, colaborador, que quer crescer na carreira por meios próprios e só usou o expediente da indicação para abrir a porta.

Entretanto, a situação pode ser mais grave. Por exemplo, você sabe alguma coisa desabonadora sobre o indicado? Alguém lhe deu referências ruins? Se a resposta a essas duas perguntas for sim, eu acho bom você questionar a indicação. Você pode descobrir que só terá encrencas, que a pessoa já deu problema em outros lugares. Nessa situação, veja se acha um jeito elegante de dizer não. Diga que sua equipe está super afinada e um elemento estranho no momento poderá derrubar por terra seus esforços. Antes porém, aconselho que você busque algum apoio ou a opinião outro, ou outros, executivo forte. Peça ajuda explicando que, se você aceitar poderá colocar em risco a integridade da sua equipe, poderá influenciar negativamente nos resultados de sua área. Assim, se o chefão ficar bravo e comentar o fato com alguém poderá ouvir opiniões ponderadas que o favoreçam e minimizem o efeito da negativa.

De qualquer maneira, não deixe de examinar a questão para ver se existe alguma maneira de aceitar a indicação e administrar o prejuízo, ou seja, lidar com a figura sem que sua equipe seja muito afetada. Pode ser que não haja maneira de dizer não, pois você poderá colocar sua carreira em risco. Lamento, mas nem tudo é correto na vida corporativa…