Xô, Discriminação por gênero

Alerta Vermelho, Confetes e News

Nos tempos que estamos vivendo, discriminação por gênero é um termo que deveria ter sido apagado da nossa fala. No entanto, ainda existe e, mesmo as mulheres, nem sempre estão cientes de seus preconceitos invisíveis (ou até visíveis) contra outras. Sei lá, inveja, vontade de ser igual, até simples antipatia podem ser os geradores em colegas do sexo feminino. Talvez a herança atávica que, mesmo não fazendo mais sentido, ainda trazemos, competindo pelo melhor ser masculino. O preconceito dos homens é mais fácil de identificar e tem a ver com anos de educação machista.

Vai daí, decidi perguntar: o que podemos fazer para mudar essa realidade meio escondida?

Estudei um pouco e, simplificando, tenho algumas dicas de especialistas para dividir com vocês. (*)

Dê uma olhada no que pode fazer imediatamente por você, mesmo sem entrar em um movimento feminista radical.

Antes de mais nada, ignore, finja que não vê. Isso não significa que você vai deixar de acreditar que existe. Mostre-se com autoridade, não se acanhe. Logicamente, sozinha e em um instante você não conseguirá apagar anos e anos de comportamento viciado, mas poderá iniciar um movimento seu, que a ajudará a consolidar uma imagem forte.

Enquanto isso…

Reforce sua presença, começando por ocupar o espaço físico devido, sem andar curvada, encolhida ou tentando minimizar-se. Use a respiração para acertar sua postura e para apoiar sua voz. Cabeça erguida e voz segura mudam a maneira que os outros enxergam você.

Fique calma, mesmo que a situação seja desagradável demais. Aprenda a manter a serenidade, fazendo exercícios de controle da respiração em casa duas, três vezes ao dia. E, não esqueça, faça pelo menos um antes de apresentações importantes.

Com o tempo, você será reconhecida como uma figura de autoridade no que faz, seus colegas irão ouvi-la e respeitá-la muito mais e sua autoconfiança vai crescer e você lidará cada vez melhor com o preconceito.

Lembre-se sempre que modéstia é um pecado, não uma virtude, como foi ensinado pela religião e pelos bons costumes. A primeira pessoa que deve respeitar e acreditar em você é você mesma.

E volte aqui pois trarei outras informações que poderão fazer sua vida mais fácil.


(*) Inspirada por Megan Hamilton, especialista em oratória, visibilidade e confiança em Kingston, Ontário. Ela é uma atriz com formação clássica e também uma musicista profissional com cinco gravações, tendo feito turnês pelo Canadá e os EUA.

Fotos copiadas do Google.