Está na hora de movimentar sua carreira? Veja algo que pode ajudar

Tenho acompanhado, tanto quanto sou capaz, dezenas de informações a respeito do futuro das pessoas, do trabalho, do lazer, da vida. Sou uma curiosa a respeito de tudo de maravilhoso – ou assustador – que o futuro nos reserva.

Foto Samuel Zeller

Sei, por exemplo, que lá por volta dos anos 30 (2030, bem entendido) nosso córtex poderá estar conectado à nuvem. Quero viver até lá, pois adoraria ter meus pensamentos gravados, meus sonhos loucos passíveis de serem contados e escritos, mesmo que apenas para mim mesma.

Já ouvi que robôs farão o trabalho dos humanos, com duas consequências possíveis: humanos descansado e curtindo ou humanos sem trabalho amargando uma super frustração. Na primeira hipótese, os robôs gerariam renda suficiente para garantir que todos os humanos recebessem uma renda básica que lhes permitisse viver sem preocupações com os gastos cotidianos. Na segunda, bem, nessa nem quero pensar.

Entretanto, enquanto milhares de estudiosos estão debruçados sobre as consequências do avanço da tecnologia no mercado de trabalho dos próximos 30 anos e no desaparecimento de inúmeros postos, eu e Roberta Holanda, – Consultora de Finanças, Empreendedora e Coach Financeira – reunimos informações fundamentais para abordar o mercado de trabalho num futuro mais próximo, ou seja, amanhã ou no mês que vem.

Foto Alex Knight

Claro que os empregos como são hoje já estão mudando, as características e qualificações exigidas daqui a 5 anos já serão um pouco diferentes. Sem dúvida, as necessidades das pessoas também estarão em movimento e os empreendimentos de hoje precisarão ir se adaptando. Entretanto, ainda temos algum tempo em que as coisas são mais ou menos estáveis.

Acreditamos que antes de chegarmos ao ponto de ver os robôs trabalhando e gerando renda, e antes de atingirmos a Renda Básica Universal, teremos que enfrentar, especialmente em países em desenvolvimento, anos de empregos ou iniciativas mais tradicionais para gerar nossa própria renda e com isso sustentar nossas famílias.

Vai daí que decidimos coletar e organizar uma série de informações pertinentes a movimentos de carreira num único lugar, o livro Carreiras e FuturoComo construir ou mudar sua trajetória de Carreira.

Esse livro foi concebido com o propósito de auxiliar pessoas em busca de alternativas para abordar movimentos profissionais e pessoais com segurança e objetividade. Reúne informações úteis para quem está iniciando ou mudando de carreira, com dicas de autoconhecimento, finanças, opções de carreiras e de mercado, no futuro que se inicia amanhã.

Publicamos a versão online na Amazon, http://amzn.to/2k8wo7G, onde pode ser adquirido facilmente. Teremos também uma versão mínima em papel, editada pela Reality Books, cujo lançamento para convidados será no início de 2020.

Apoiando o Futuro, um projeto para lidar com o mundo atual

Captura de Tela 2017-07-10 às 12.42.42.pngO mundo vive hoje um processo de mudanças contínuas e rápidas, tornando-se mais complexo e difícil de interpretar a cada instante. As inúmeras variáveis que interferem na trajetória de empresas e profissionais atualmente exigem um trabalho constante no sentido de buscar autenticidade, essência, consistência em seus valores e crenças.

Captura de Tela 2017-07-10 às 12.43.50.pngÉ fundamental ter clareza de objetivos e propósitos, agir de forma simples e de fácil compreensão para criar sentido para ações e projetos. Conversas inteligentes, processos de autoconhecimento, pensamento crítico, reflexões compartilhadas, resgate da sabedoria, da intuição, da criatividade e da resiliência são ferramentas que nos levam a sobreviver com sucesso à complexidade atual.

Pensando nisso criamos o projeto Apoiando o Futuro, um projeto de apoio a processos de transição. Transições são momentos desafiantes tanto para empresas quanto para profissionais. Nosso projeto atua nesse momento sensível. Oferecemos soluções para as pessoas e para as empresas que se preocupam com seus colaboradores.

Apoiando o Futuro não é um exercício de futurologia, mas uma forma de apresentar instrumentos para as pessoas que querem abordar as mudanças profissionais e pessoais com segurança e objetividade. É baseado em três pilares:

Captura de Tela 2017-07-06 às 12.05.28

 

Mapeamento Emocional

Planejamento Financeiro

Construção da Transição

 

Iniciamos o projeto publicando posts com dicas relacionadas ao assunto para estimular o pensamento daquelas pessoas que começam a se movimentar em direção a outra realidade pessoal ou profissional. Estamos elaborando um eBook com as principais dicas relacionadas ao assunto. A partir de agora, já temos no nosso portfólio os seguinte produtos:

Captura de Tela 2017-07-06 às 12.10.01

 

Quem somos:

Captura de Tela 2017-07-06 às 12.14.52

Quer saber mais? Entre em contato por aqui ou na nossa página do Facebook. Teremos prazer em lhe fornecer todos os esclarecimentos.

Dizendo Não

Na semana passada, andei conversando com um head hunter que recruta jovens para o mercado de trabalho e ouvi uma coisa que nunca havia imaginado. Ele me disse que nem chamava profissionais oriundos de algumas faculdades não porque a formação técnica fosse ruim, mas porque eles não têm nenhum preparo na área de comportamento. Algumas das coisas de que ele se queixou foram a falta de resposta ao final do processo e a ausência em entrevistas marcadas quando os candidatos não aparecem nem avisam que vão faltar, enfim, a uma série de pequenas indelicadezas que mostram pouca elegância e educação.

Não sei se esse fenômeno tem a ver apenas com os jovens em início de carreira, mas acho interessante falar para todo mundo porque um descuido pode fazer você se comportar dessa maneira e fazer perder muitos precisos pontos conquistados com muito trabalho e esforço.

Então, se você participou de um processo de seleção e, ao final, descobriu que a posição não será boa para você, não tenha receio de dizer não. Se descobriu no meio do processo, não deixe para comunicar somente no final. Não perca o seu tempo nem o do recrutador. Não pense em sumir, não atender ao telefone ou dar desculpas para não falar com a pessoa com quem você interagiu no processo. Você tem todo o direito de não querer o trabalho, mesmo que tenha se interessado num primeiro momento.

Seja delicado, diga que concluiu durante o processo que a vaga não é exatamente compatível com suas atuais expectativas, mas seja firme. Comunique sua decisão pessoalmente se for possível, mas por telefone não fica ruim. Até um email poderá resolver a questão mas não é tão efetivo ou gentil quanto um telefonema ou uma visita. Agradeça a oportunidade e diga o quanto se sentiu lisonjeado por ter sido lembrado para a vaga. Se tiver interesse na proposta para o futuro, proponha retomar o contato dentro de alguns meses. Se não tiver, lembre-se que você poderá precisar de outra posição oferecida pelo mesmo recrutador em outro momento, fique com o contato e deixe uma boa impressão.

Se conhecer uma pessoa mais adequada para o cargo pergunte se pode indicar o nome de alguém de suas relações para o emprego. Isso poderá ser simpático para a empresa e você poderá ajudar um amigo que esteja atrás de oportunidades. Não indique para o cargo alguém mal qualificado. Mesmo que você tenha descoberto que a vaga não lhe serve no momento, indicar alguém fraco vai dar a impressão de desprezo pelo processo de recrutamento do qual você participou. Isso desvaloriza automaticamente seu próprio passe.

Viu como é fácil? Pequenos gestos gentis deixam portas abertas e possibilidades de oportunidades em outras ocasiões. Tenha certeza de que, se você precisar, isso fará uma grande diferença. Se não precisar… Bem, no mínimo você garantiu simpatia e boa vontade.