Pequenos detalhes que fazem diferença no seu currículo

Provavelmente você está satisfeito no lugar onde trabalha, certo de que a empresa também está feliz em tê-lo na posição em que está. Entretanto, nunca podemos ter certeza de que as coisas não vão mudar de uma hora para outra. Mesmo que no momento você não pense nisso, é bom estar preparado para o que der e vier. Longe de mim querer assustá-lo, mas a empresa pode sofrer mudanças na política interna, você pode sofrer algum desapontamento que o empurre para a porta de saída, enfim, de repente se vê na difícil situação de ter que sair para o mercado e buscar outro emprego. Portanto, seja cauteloso, mantenha seu currículo sempre atualizado, seus contatos à distância de um telefonema ou email e terá uma boa parte do caminho andado.

Tratando de currículo, ele não é apenas algumas páginas de informações sobre onde você estudou ou trabalhou, ele precisa mostrar quem você é e do quê é capaz. Ele tem que informar sobre o que você aprendeu não apenas nos cursos que fez, mas principalmente através de suas experiências de trabalho e de vida. Também tem que deixar clara a maneira com que você usou seu conhecimento para trazer benefícios para as empresas nas quais trabalhou.

Você precisa demonstrar que teve e pode ter sucesso ao enfrentar situações novas, deixando claras sua flexibilidade, sua criatividade e sua capacidade de enfrentamento de problemas. É claro que, na entrevista, você terá oportunidade de demonstrar mais efetivamente essas características, afinal, falando, gesticulando, sorrindo, interagindo tudo fica muito mais fácil. Mas, o que vai abrir a porta para sua entrevista é aquilo que você escrever no seu currículo, é o que vai provocar a curiosidade de um potencial contratante sobre a contribuição que você poderá trazer para a nova empresa. Vale a pena ter cuidado!

Esqueça cursos de qualificação que você fez visando somente melhorias momentâneas numa empresa, mesmo que isso tenha lhe trazido um ou outro ganho de salário ou posicão. Ressalte aqueles que contribuiram claramente para a evolução coerente da sua carreira, pois é importante que suas iniciativas de obtenção de mais conhecimento estejam dentro de uma lógica de evolução. Evolução profissional e pessoal, não se esqueça.

Se você fez cursos de pós-graduação, MBAs, mestrados ou doutorados, lembre-se que eles só vão ajudá-lo a conseguir uma posição melhor se forem parte de um conjunto que inclui, principalmente a habilidade de utilizar o conhecimento adquirido. As empresas esperam que você traga melhores resultados para elas com esses diferenciais de qualificação. Mostrar que você fez cursos extras, especialmente aqueles que demonstram sua capacidade em superar suas dificuldades de formação, é importante para um contratante, pois dá a certeza de que você vai enfrentar os desafios da nova posição com determinação e coragem.

Enfim, ao deixar seu currículo pronto para as surpresas que a vida lhe reserva pode ser a diferenca entre enfrentar o novo com maior segurança ou ficar tentando saber quem você realmente é.

Procrastinar, palavra difícil de usar, ação comum no dia-a-dia

Procrastinar é quase um palavrão, não acha? Chega a assustar. No entanto, é uma ação tão comum no nosso dia-a-dia que, sem que nos demos conta, estamos conjugando o verbo a todo instante. Deixar para outro dia um ato ou decisão necessário para o seu sucesso sem um bom motivo é mais fácil do que parece. Acontece especialmente quando não estamos seguros sobre o que fazer, temos receio de tomar uma atitude efetiva ou, o que é pior, estamos inconscientemente boicotando nosso próprio crescimento e futuro.

Tenho conversado com várias pessoas que se queixam de não ter tempo ou condição para fazer uma coisa ou outra ou para tomar uma decisão que possa mudar uma condição complicada da vida. Eu também me vejo nessa algumas vezes, me envolvendo em tarefas que podem ser perfeitamente executadas por outras pessoas e deixando de lado aquilo que é essencial para que os projetos andem na direção correta.

Por que será? É preciso parar para pensar naquelas pequenas desculpas que arranjamos para a não-ação e tentar eliminá-las rapidamente sob o risco de perder um tempo precioso e construtivo.

Penso que podemos começar pensando se realmente sabemos o que estamos buscando. Muitas vezes nosso empenho fica comprometido porque não sabemos exatamente o que queremos. Sem isso, qualquer rumo que você decida tomar pode levar a lugar nenhum. Claro que é difícil admitir que você não sabe o que quer. Esse sentimento pode estar enterrado no seu pensamento sem que você realmente o perceba. Você decidiu que vai trocar de emprego, diz para seus amigos que vai fazer isso e no entanto não preparou nem seu currículo? Será que você realmente quer mudar? Será que a perspectiva de enfrentar um novo começo não está deixando você inseguro? Ou, quem sabe, ao conversar com seu travesseiro à noite você não diz para si mesmo que é melhor ficar onde está porque aí você sabe o que esperar, mesmo que seja ruim?

Entretanto, algumas vezes você não tem escolha. Por exemplo, não fez o movimento de mudar de emprego e foi demitido. Claro que tem que buscar outro, você não pode ficar sem trabalhar e ganhar seu dinheiro. Faz uma ou outra tentativa fraca e quando as primeiras fracassam, você começa a desconfiar que não é capacitado, que não vai arranjar nada de bom, que o mercado não quer mais saber de você. Aí, entra numa espiral autodepreciativa que só leva para o fundo do poço. Você sabe que para começar, tem que atualizar seu currículo, mas não dá nem uma lida no texto, não faz uma reflexão sobre seus conhecimentos e experiências não registrados nele. Sabe que a busca de um novo emprego exige planejamento e disciplina, sabe também que precisa fazer contatos. Entretanto, se envolve na reforma da casa, no conserto do carro, fica doente, entra na briga do condomínio, qualquer coisa que o deixe muito ocupado para dizer para você mesmo que não teve tempo de fazer uma ou outra coisa.

Captura de Tela 2014-09-03 às 12.45.48Está se identificando? Pois saiba que está procrastinando. Então saia dessa rapidamente. Vá tomar as rédeas da sua vida outra vez. Faça uma lista de tarefas, determine uma hora para cuidar de cada assunto, esqueça aqueles trabalhos que não precisam da sua presença. Marque encontros com pessoas que possam lhe trazer benefícios nesse momento, envie emails para outros, estude as possibilidades de trabalho em empresas fora da sua área de conforto, faça um curso que realmente possa suprir uma falha do seu currículo.

Veja, esse raciocínio vale não apenas para seu trabalho, serve para adiar o fim de relacionamentos destrutivos, serve para mudar de casa ou de cidade, enfim, serve para qualquer situação que envolva mudanças importantes na sua vida. Você adia a decisão por não ter certeza de que quer realmente mudar. Você pode usá-lo para enfrentar tarefas aborrecidas, mas necessárias, aquelas que um subordinado que não faz mais parte da sua realidade fazia para você.

Decida fazer o que tem que ser feito! Se estiver muito preguiçoso – esse é um efeito colateral da procrastinação -, comece um programa de ginástica ou caminhadas para produzir endorfinas que lhe darão energia e diminuirão o stress. Faça exercícios também para baixar a tensão, se estiver muito agitado. Mantenha sua mente num estado positivo, não pense em fracasso, pense em vitórias e convença você mesmo que procrastinar é apenas um palavrão que nada tem a ver com você.